Protocolos de segurança para empresas: passo a passo

Pessoa fechando a porta de uma sala recém limpada. Ela segura um balde cheio de itens de limpeza.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Desde março de 2020, mês da pandemia, as empresas estão precisando pensar em mais do que produzir. Desde esse fatídico mês, o foco total está nos protocolos de segurança e na segurança sanitária dos trabalhadores.

Dependendo do segmento e do tamanho do negócio, houve home office, pausa das atividades presenciais e várias outras medidas sanitárias. Tudo isso para garantir que os funcionários estejam seguros.

Com o avanço da vacinação no país, há locais que já retomaram as atividades de forma parcial e até mesmo total. Isso é ótimo para a economia, mas também um indício de que a pandemia não está mais nos seus piores dias.

Apesar disso, temos que considerar que o vírus ainda circula e há países em que os índices de contaminação voltaram a subir.

E no trabalho não tem jeito: as pessoas precisam conviver no mesmo espaço, trocam objetos em comum, fazem reuniões em salas fechadas e por aí vai. Então, como fazer esse retorno ser seguro para todos?

É o que vamos te responder agora a partir dos níveis de protocolos de segurança para empresas. Prepare a caneta, porque tem muita informação importante!

Pessoa usando roupa de proteção e luvas para higienização de piso em uma sala.

Como será o retorno ao trabalho presencial?

O retorno do trabalho presencial precisa ser feito com muita cautela e com medidas sanitárias rígidas.

Muitas empresas já retornaram e estão a todo vapor, mas os protocolos de segurança precisam ser reforçados sempre. Negligenciar o vírus é um erro – mesmo com a vacinação em estágio avançado.

É exatamente para não voltarmos a situações graves, com funcionários doentes e risco de contaminação em massa que devemos manter esses cuidados.

Então, já vamos te adiantar que o pacote básico entre os protocolos de segurança para empresas envolvem, principalmente, três coisas: produtos que matam os vírus, campanha de conscientização entre os funcionários e uma boa fiscalização.

Mas, claro, não é só isso. E vamos detalhar a seguir o que fazer e como em cada local de trabalho.

O funcionário pode se recusar a voltar ao trabalho presencial?

Temos casos e casos. No Brasil não existe nenhuma lei que regulamente o trabalho durante a pandemia. Nem o home office ou trabalho presencial.

Foram os decretos municipais ou estaduais que determinaram o que poderia ou não funcionar durante a pandemia de Covid-19. Esses documentos consideravam os números de casos e óbitos. Mas, em todo o país, se a sua região está na onda verde, quase tudo está liberado.

Ou seja, convocar o funcionário e ele não retornar pode, sim, gerar um desconforto e até mesmo demissão. Mas também não é uma regra.

Então, o melhor é conversar com os funcionários antes. Se alguém realmente for do grupo de risco ou se sentir em perigo extremo, o melhor por parte da empresa é praticar a empatia e oferecer outras opções.

No mais, os protocolos de segurança para empresas valem para isso mesmo: garantir a segurança e condições de trabalho ideias para os colaboradores.

Três pessoas usando uniforme de empresa de limpeza.

Quais os tipos de protocolos de segurança para empresas?

Podemos considerar que os protocolos de segurança para empresas existem em três níveis: medidas severas, moderadas e leves. Isso pensando principalmente no tamanho da empresa.

Não é possível impor os mesmo protocolos a uma empresa com 500 funcionários que é praticado em uma de 50 ou menos. Tudo é questão de bom senso e adequação às necessidades de cada local de trabalho.

Vamos analisar o que fazer em cada um desses casos? Confira a seguir!

Protocolo severo para empresas grandes

Indústrias e locais maiores precisam de protocolos de segurança para empresas mais severos. Não só pelo tamanho do lugar, mas pela quantidade de pessoas que vão circular por lá.

A atenção aqui é que deve haver preocupação não só com os funcionários, mas também com os visitantes e fornecedores. Então, na hora de montar seu orçamento de produtos de limpeza, é preciso considerar que você tem que ter os produtos certos e na quantidade ideal.

Nesses casos, vamos separar esses protocolos em duas partes: as medidas que você toma aí dentro da empresa com os funcionários e as de controle externo.

Medidas internas

As medidas internas são as boas práticas entre os funcionários. Elas evitam que um funcionário infectado consiga entrar na empresa e disseminar o vírus para os demais setores. Entre as medidas internas dos protocolos de segurança para empresas, as principais são:

  • Medição de temperatura na chegada. Funcionários com alteração de temperatura e sintomas gripais devem ser mandados para casa;
  • Equipamentos de proteção individual, como máscaras, flanelas de higienização de objetos pessoais;
  • Kits individuais de higienização, com álcool em gel e lenços umedecidos para assepsia das mãos;
  • Higienização e desinfecção de todas as áreas da empresa;
  • Distanciamento social e marcação de cadeiras e chão;
  • Desincentivo à aglomeração em espaços comuns entre os funcionários;
  • Dispensadores de álcool em gel em vários pontos da empresa;
  • Barreira de vidro ou acrílico em balcões de atendimento, caso existam;
  • Ponto eletrônico por aplicativo de celular para evitar contato entre outros funcionários via máquina de ponto;
  • Contratação de consultoria clínica para exames periódicos;
  • Campanhas educativas sobre os protocolos e segurança para empresas.

Controle de riscos externos

Já as medidas severas de controle externo dizem respeito à recepção de outras pessoas na empresa. Já é difícil ter controle dos próprios colaboradores, imagine só de quem vem de fora.

Mas, por outro lado, sabemos que é impossível fechar as portas para terceiros, principalmente em empresas de grande porte. Só que algumas medidas podem impedir a disseminação do vírus, como:

  • Diminuição de viagens nacionais e internacionais, fazendo-as só quando for realmente necessário;
  • Protocolos sanitários específicos para receber fornecedores e visitantes;
  • Suspensão de participação em feiras e eventos;
  • Desinfecção diária de ônibus;
  • Monitoramento de funcionários que retornam de férias e viagens.

Tenha um cronograma de limpeza rígido

Quando falamos de protocolos de segurança para empresas, especialmente os mais rígidos, precisamos considerar um cronograma igualmente controlado.

Antes de mais nada, compre os produtos certos para fazer a limpeza da sua empresa. Estabeleça as quantidades e um fornecedor com marcas de qualidade. Assim, suas compras duram mais e você tem certeza de que está usando o melhor para essa higienização.

Com tudo em mãos, faça uma reunião com a equipe de limpeza e estabeleça o que precisa ser feito e com que frequência. Como a empresa é grande, é necessário um número maior de funcionários nesse setor para dar conta de tudo.

Uma ótima opção é usar máquinas e misturas específicas para matar os vírus. Isso precisa ser feito diariamente em ônibus, restaurantes, vestiários, áreas de descanso e também de lazer.

O comum é usar uma mistura de água sanitária com água, formando um agente ativo capaz de eliminar o vírus da Covid-19 nesses locais. Mas a limpeza minuciosa, com álcool 70 e pano, também é indispensável.

Homem usando uniforme e máscara facial. Ele está com uma máquina borrifando líquido para desinfecção da empresa.

Protocolo brando para empresas médias

Sabemos o que deve ser feito na versão mais rígida dos protocolos de segurança para empresas, é só uma questão de adaptação com medidas mais brandas. Locais de médio porte tem menor circulação de pessoas e por isso podem ter um pouco mais de tranquilidade.

Mas atenção: medidas mais brandas não querem dizer desleixo. A higienização é de extrema importância, assim como a constância.

Dessa forma, os principais pontos de cuidado para empresas médias são:

  • EPIs, como máscaras, álcool em gel individual, copos e canecas, além de flanelas de higienização de objetos pessoais;
  • Campanhas de conscientização sanitária entre os colaboradores;
  • Marcação de cadeiras e chão, delimitando distanciamento social;
  • Dispensadores de álcool em gel em toda a empresa;
  • Ponto eletrônico por aplicativo para funcionários;
  • Higienização de toda a empresa e com mais frequência em pontos de comuns;
  • Afastamento de funcionários que apresentarem sintomas gripais;
  • Barreira de vidro ou acrílico em balcões de atendimento, caso existam;
  • Desinfecção diária de transporte coletivo, caso haja;
  • Cronograma de limpeza bem estruturado.

Nesses casos, é interessante considerar a terceirização da limpeza. Em épocas normais, empresas de médio porte costumam fazer isso por conta do custo-benefício. É ainda mais interessante agora, com o reforço dos protocolos de segurança para empresas.

Seja uma equipe própria ou terceirizada, o importante é ter tudo bem delimitado, com os produtos certos e o cronograma bem fechado. Assim, você não deixa passar nada, especialmente as áreas de uso comum, como refeitório, banheiros e recepção.

Pessoa fechando a porta de uma sala recém limpada. Ela segura um balde cheio de itens de limpeza.

Protocolos leves para empresas pequenas

Agora, se você trabalha em uma empresa pequena, os protocolos de segurança para empresas vão ser mais leves. Mas, ainda assim, todos os cuidados devem ser tomados.

Nesses locais, é possível ter um controle maior. São poucas pessoas circulando e uma área menor para higienização.

Os protocolos leves englobam muito mais uma conscientização e cuidado individual do que qualquer outra coisa. A empresa estabelece as regras, oferece condições favoráveis quanto às medidas sanitárias e ponto com álcool em gel para higiene das mãos.

O mais importante nesses protocolos de segurança para empresas é garantir que os espaços comuns, como banheiros, refeitórios e recepção, sejam higienizados mais de uma vez por dia.

Ou seja, é só se reunir com os responsáveis pela limpeza, estabelecer um cronograma e garantir que ele seja cumprido à risca todos os dias. Pode ser chato no começo, mas todo cuidado é pouco nesse retorno presencial.

Ok, falamos muitas vezes aqui sobre os “produtos certos”. Mas afinal, quais são eles? É o que você vai descobrir agora!

Produtos para incluir nos protocolos de segurança para empresas

Balde cheio de itens de limpeza, como flanelas, luvas, borrifador.

Nos protocolos de segurança para empresas, os produtos certos são:

  • que rendem mais;
  • com fórmulas que matam vírus e bactérias mais resistentes. 
  • de marcas confiáveis;
  • vendidos por fornecedores comprometidos com a logística.

Na hora de equipar sua empresa com álcool em gel, por exemplo, nada melhor do que contar com a ajuda da marca número 1 em higienizadores do Brasil. A Asseptgel tem linhas para uso pessoal, perfeita para montar os kits de proteção dos funcionários, mas também a linha comercial, para abastecer seus dispensadores.

Tem sabão, álcool em gel, lenços, sabonete líquido e muito mais. Tudo com garantia de procedência, dermatologicamente testado e muito eficaz para sua segurança e saúde.

Mas sabemos que limpeza não é só isso. Temos pisos, janelas, vidros e várias outras superfícies que precisam de um cuidado especial. Se sua empresa recebe visitantes, mais ainda. Esse cuidado e higiene são essenciais para conquistar quem vem de fora.

E nessa hora, recorrer a quem? À Start Química, é claro. Já são quase 35 anos no mercado, com linhas e produtos para todas as áreas da limpeza. Com saúde não se brinca, então por que não levar só o melhor para seus colaboradores também?

Quer conhecer um pouco mais sobre a nossa linha de limpeza profissional? Temos um texto contando um pouco sobre cada produto.

É só ir lá e descobrir o quanto nós podemos te ajudar nos seus protocolos de segurança para empresas!

Posts Relacionados

Quer conhecer mais?

Informe seu melhor e-mail abaixo para assinar nossa Newsletter e receber informações sobre lançamentos, novidades e links para as publicações mais recentes.

Logo-ft-start
Asseptgel© Copyright 2020 – Todos os direitos reservados.